Seguidores

terça-feira, 27 de outubro de 2020

Constituições - Direito Interno


#cacd #diplomacia #diplomata #constituicao #cf #direitointerno

Dado que um aspirante à carreira de diplomata pode deparar-se com questões que testem seu conhecimento a respeito das constituições do Brasil, o Coaching Avançado do Diálogo Diplomático não só direciona leituras específicas de direito interno, como também corrige textos e ensina técnicas de escrita para essa disciplina. A princípio, queridos CACDistas, é necessário saber quantas constituições existiram e de quais anos elas são. Vamos às palavras-chave? 1824: Constituição outorgada, Poder Moderador, voto para homens acima de 25 anos, censitário, indireto, aberto. 1891: Brasil republicano, sistema de governo presidencialista, Estado laico, voto para homens acima de 21 anos, mulheres e analfabetos não votavam, direto, federalismo. 1934: Leis trabalhistas, justiça eleitoral, voto secreto, mulheres votavam, obrigatório, direto, para maiores de 18 anos, direito à educação. 1937: Constituição outorgada, concentrava poderes nas mãos do chefe do Executivo, permitiu a criação de decretos-lei, extinguiu os partidos políticos. 1946: Restaurou o cargo de vice-presidente, o regime representativo e o mandato presidencial. 1967: Eleição indireta para a presidência da República, poderes para decretar estado de sítio e de intervir em estados e municípios. 1988: Eleições diretas, legalização dos partidos políticos, tornou tortura e racismo crimes inafiançáveis, habeas data, voto facultativo para analfabetos. Em 1969, futuros diplomatas, surgiu uma nova constituição ou uma emenda? Há muitas outras informações no que diz respeito às constituições do Brasil. Caso queiram estudar adequadamente para o CACD, nós podemos colaborar. Não deixem de escrever-nos. 


 

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Dom Pedro II - História do Brasil


#cacd #diplomata #diplomacia #historiadobrasil #dompedro #pedrosegundo #mre

Em virtude da interdisciplinaridade no CACD, como cultura em história do Brasil, o Programa de Coaching do Diálogo Diplomático indica leituras cujos conteúdos preparam o aluno para as diferentes fases do concurso. Uma vez que a preparação demanda que o candidato conheça aqueles que já lideraram o Brasil, por exemplo, nós compartilharemos informações a respeito de Dom Pedro II. Tais referências, presentes no livro “A construção nacional: 1830-1889”, podem servir tanto na redação de segunda fase quanto na questão discursiva de terceira fase, ao tratar da educação dada ao imperador. A título de curiosidade, segundo um dos autores da obra: "Sua educação artística e humanística esteve a cargo de mestres estrangeiros, sobretudo franceses, como Félix-Émile Taunay, professor de desenho, história universal e das artes, literatura antiga e grego. O italiano Fortunato Maziotti ensinou-lhe música, o austríaco Roque Schüch, latim e alemão, Alexandre Vandelli, cientista português, filho de italianos, ciências naturais. Dessa educação resultou um leitor voraz profundamente impregnado da cultura europeia e preocupado com sua difusão no Brasil. Em suas viagens à Europa, ao Oriente Médio e aos Estados Unidos, preocupava-se sobretudo em visitar museus, monumentos históricos, escolas e fábricas, e em estabelecer contatos com homens de letras e cientistas, valendo-se de sua condição de poliglota.". Se vocês desejam receber orientações semanais sobre o que ler e como escrever de acordo com cada matéria, nós podemos ajudar. Contatem-nos.


 

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Nuremberg e Tóquio - Direito Internacional


#cacd #diplomacia #diplomata #direitointernacional #tribunais #nuremberg #toquio

Conhecer os motivos da criação de tribunais penais internacionais, bem como seu funcionamento, faz parte dos estudos de um futuro diplomata. Por isso, o Programa de Coaching do Diálogo Diplomático indica leituras próprias também para seus respectivos temas. Vocês já estudaram a respeito dos tribunais de Nuremberg e de Tóquio, caros seguidores? Inicialmente, precisa-se saber que, por causa dos conflitos na Segunda Guerra Mundial, autoridades internacionais debateram com a finalidade de encontrar e julgar seus responsáveis. Como resultado, esses dois tribunais foram criados. Enquanto aquele julgou nazistas, este julgou japoneses. Ademais, vale lembrar que, a despeito de Nuremberg ter sido criado mediante o Acordo de Londres de 1945, Tóquio não foi formulado por um tratado, já que o oficial Douglas MacArthur utilizou documentos japoneses de rendição como base. Quais os tipos de crime pelos quais nazistas e japoneses foram acusados, queridos CACDistas? Já existia condenação contra crimes de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade? O crime de agressão já estava vigente? Após os julgamentos, algum dos tribunais permitiu a pena de morte? Se vocês almejam obter uma preparação que integre todos os pontos do edital do CACD, não deixem de entrar em contato conosco. Aguardamos a sua mensagem. 


 

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Comércio - Política Internacional


#cacd #diplomata #diplomacia #politicainternacional #comercio #mre

Na medida em que a disciplina de política internacional exige que o aspirante à carreira de diplomata se mantenha atualizado, o Programa de Coaching do Diálogo Diplomático orienta seus alunos acerca de quais obras ler e de quais sítios acompanhar diariamente. No aspecto comercial, por exemplo, é fundamental acompanhar as transações entre o Brasil e seus parceiros. Por esse motivo, o “Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços” torna-se uma das páginas recomendadas. Afinal, quem não se lembra do item que citou a balança comercial do Brasil com a Coreia do Norte no CACD 2019, em PI? Logo, apesar de o CACDista ter a tarefa de saber que a China, os Estados Unidos e a Argentina, entre outros, são países com os quais o Brasil realiza operações bilionárias de importação e de exportação, também sugerimos que vocês, futuros diplomatas, acompanhem o comércio com mais Estados. Com essa dica, vocês não só eliminam o risco de errar um item ou deixá-lo em branco, mas também obtêm informações, que muitos de seus concorrentes provavelmente não terão, para as provas discursivas. Por exemplo, vocês sabiam que, até o momento, a relação comercial do Brasil com a Indonésia contém superávit de US$ 803,3 milhões e que os principais produtos, seja na exportação, seja na importação, são farelos de soja, farinhas de carnes, açúcares e melaços,  gorduras e óleos vegetais, fios têxteis, partes e acessórios de veículos automotivos? Caso desejem estudar política internacional, matéria que, além de ter maior peso na primeira fase, se associa a outras, nós podemos ajudar. Enviem-nos uma mensagem.


 

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Vocabulário - Português/Redação


#cacd #diplomacia #diplomata #portugues #linguaportuguesa #redacao #vocabulario

Tendo em vista que vocabulário é assunto recorrente nas fases do CACD que abrangem a língua portuguesa, os alunos do Curso de Redação do Diálogo Diplomático aprendem sobre propriedade vocabular. Afinal, é necessário que o candidato não somente saiba identificar a correção gramatical em consequência da troca de uma palavra por outra, na primeira fase, mas também saiba aplicar sinônimos, na segunda fase, com o intuito de demonstrar seu domínio na escrita. Na primeira fase, por exemplo, seria possível trocar uma conjunção concessiva por outra? Depende, porquanto o candidato precisará avaliar todo o contexto. Afinal, conquanto os termos “embora” e “apesar de” façam concessões, este demanda verbo no infinitivo, aquele, no subjuntivo. Além disso, a banca examinadora pode tentar persuadir os CACDistas ao inserir palavras parecidas e perguntar se haveria alteração gramatical, como na mudança de “conquanto” por “no entanto”, “portanto”, “para tanto”, “entretanto” etc. Na segunda fase, ao pensarmos nas conjunções adversativas, a utilização de “mas” não está incorreta, porém a repetição de palavras para a mesma finalidade não é aconselhável. Afirma-se, por conseguinte, que é possível substituí-lo por “contudo”, “porém”, “entretanto”, “todavia”, “no entanto”. Aspirantes ao cargo de diplomata, se vocês almejam aprimorar o conhecimento na sua língua materna, a qual é diariamente utilizada no quotidiano de um diplomata brasileiro, nós podemos colaborar. Escrevam-nos.


 

terça-feira, 20 de outubro de 2020

CG Houston / II Educational Fair: Texas A&M Engineering


Caros seguidores, informamos que está sendo realizada uma feira educacional na página do YouTube do Consulado-Geral do Brasil em Houston. Trata-se da II Educational Fair: Texas A&M Engineering. Segue link para a obtenção de mais informações: https://www.youtube.com/watch?v=0gxMHVuRycc&ab_channel=Consulado-GeraldoBrasilemHouston


 

Haushofer - Geografia


#cacd #diplomata #diplomacia #geopolitica #panregioes #haushofer

No Programa de Coaching do Diálogo Diplomático, ao estudar acerca de geopolítica, os alunos têm contato com as teorias presentes no CACD. Por exemplo, vocês conhecem Karl Ernst Haushofer, caros CACDistas? Este foi um general alemão que desenvolveu o conceito de pan-regiões. Em sua proposta, Haushofer argumentava que o mundo deveria ser dividido em quatro partes, as quais seriam partilhadas entre os Estados Unidos, a Alemanha, a União Soviética e o Japão. Ademais, vale informar que essa divisão seria feita verticalmente, uma vez que, de acordo com o geopolítico alemão, existiria uma autarquia por conta dessas divisões. Dessa forma, imaginava-se que a quantidade de desentendimentos entre Estados poderia ser reduzida. Afinal, por ser disponibilizada uma área vertical no mapa, a liderança de cada pan-região obteria diversos biomas, solos, climas, o que envolveria tanto o norte quanto o sul de cada continente. Não seria necessário, consequentemente, invadir outras pan-regiões. Futuros diplomatas, vocês sabiam que essa teoria de Haushofer tinha a fragmentação da Inglaterra como um de seus objetivos? Por qual motivo? Nos cursos oferecidos pelo Diálogo Diplomático, vocês aprendem os pontos do edital, revisam-nos e escrevem consoante o método de correção dos examinadores da segunda e da terceira fases. Nós podemos ajudar na sua preparação. Não deixem de contatar-nos.


 

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Nota Conjunta do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério da Economia – Assinatura de Pacote Comercial com os EUA

 Ministério das Relações Exteriores

Departamento de Comunicação Social


Nota nº 123

19 de outubro de 2020


Nota Conjunta do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério da Economia – Assinatura de Pacote Comercial com os EUA


Brasil e Estados Unidos (EUA) assinaram nesta segunda-feira, 19 de outubro, Protocolo ao Acordo de Comércio e Cooperação Econômica bilateral. Trata-se de pacote comercial ambicioso e moderno, que visa à promoção dos fluxos bilaterais de comércio e investimento.

O Acordo de Comércio e Cooperação Econômica, cuja sigla é ATEC - “Agreement on Trade and Economic Cooperation”, é um mecanismo bilateral, criado em 2011, mas ativado apenas em março de 2019, quando os Presidentes Trump e Bolsonaro lançaram a “Parceria para a Prosperidade” durante a visita do Presidente Jair Bolsonaro a Washington. No encontro de Mar-A-Lago, em março do corrente ano, os líderes dos dois governos deram contornos mais concretos a essa parceria, ao instruir suas equipes negociadoras a fechar o texto do pacote comercial agora firmado.

A assinatura do pacote comercial insere-se em contexto mais amplo da política de comércio exterior brasileira, cujo principal objetivo tem sido o de criar ambiente econômico favorável aos negócios e à reinserção competitiva do Brasil na economia internacional. Pretende-se que o pacote forme a base de um amplo acordo comercial a ser futuramente negociado entre as duas maiores economias do continente americano. Os compromissos assumidos estão alinhados com demandas históricas dos setores privados de ambos os países. 

O texto do Protocolo contém, além de disposições gerais a respeito de entrada em vigor e mecanismo de consultas sobre as obrigações adotadas pelas Partes, três Anexos que versam, respectivamente, sobre I) Facilitação de Comércio e Cooperação Aduaneira; II) Boas Práticas Regulatórias; e III) Anticorrupção. 


Facilitação de Comércio

O Anexo I, sobre Facilitação de Comércio, diz respeito a procedimentos burocráticos (administrativos e aduaneiros) relacionados às operações de exportação, importação e trânsito aduaneiro de mercadorias. Os compromissos assumidos objetivam reduzir a burocracia do comércio exterior, diminuindo prazo e custo das operações realizadas por agentes privados. Segundo estimativa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), reformas profundas em facilitação de comércio têm o condão de reduzir em até 14,5% os custos de uma operação de comércio no Brasil.

As disciplinas de facilitação de comércio acordadas com os Estados Unidos são abrangentes, com compromissos que alcançam não apenas as autoridades aduaneiras, mas diversas agências governamentais intervenientes no comércio exterior. Há compromissos importantes para o uso de tecnologias no processamento das exportações e importações com o intuito de reduzir tempos e custos das operações. São medidas relacionadas a emprego de documentos eletrônicos, pagamentos eletrônicos, interoperabilidade entre guichês únicos de comércio exterior e automação na gestão de riscos, inclusive com o emprego de “machine learning” e inteligência artificial. Há também seção destinada ao tratamento a ser conferido a produtos agrícolas, de especial interesse do Brasil e dos Estados Unidos, grandes exportadores nesse setor.

O documento prevê, ainda, que os países trabalharão em conjunto para a celebração de um Acordo de Reconhecimento Mútuo dos seus Programas de Operadores Econômicos Autorizados (OEA). 

O texto é o mais avançado na área negociado pelo Brasil e um dos capítulos sobre facilitação de comércio mais ambiciosos já negociados em âmbito global, indo além dos compromissos celebrados no âmbito do Acordo sobre Facilitação de Comércio da OMC.


Boas Práticas Regulatórias

Por sua vez, o Anexo II, sobre boas práticas regulatórias, vai ao encontro de recentes medidas internas adotadas pelo Brasil. “Good regulatory practices” -- ou “boas práticas regulatórias”, em português -- são processos, sistemas, ferramentas e métodos reconhecidos internacionalmente para a melhoria da qualidade da regulação, ou seja, da intervenção do Estado na atividade econômica. 

O Protocolo de Boas Práticas Regulatórias negociado com os Estados Unidos constitui importante etapa na evolução recente de desenvolvimento e incorporação de instrumentos de boas práticas regulatórias pelo Brasil e está em linha com os esforços do Governo Federal para tornar o ambiente de negócios no Brasil mais transparente, previsível e aberto à concorrência, garantindo que a intervenção do Estado ocorra apenas quando necessário e não seja demasiadamente onerosa para a sociedade, conforme estabelece a Lei nº 13.874, de 2019 (“Lei da Liberdade Econômica”). Estima-se que a ineficiência regulatória gere um custo aproximado de R$200 bilhões anuais para a sociedade brasileira. Trata-se de texto moderno e com compromissos vinculantes sobre o tema, além de prover garantia da adoção de práticas similares em um dos principais mercados para as exportações e investimentos brasileiros.


Anticorrupção

Já o Anexo III, que trata sobre esforços Anticorrupção, reafirma, bilateralmente, o núcleo duro das obrigações legislativas a que Brasil e Estados Unidos se vincularam multilateralmente, em especial no âmbito da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (2003), da Convenção Interamericana contra a Corrupção (1996) e da Convenção da OCDE sobre Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais (1997). 

O escopo do referido Anexo, em linha com recentes iniciativas do Brasil, expande, para além da esfera estritamente criminal, a atuação doméstica e a cooperação internacional anticorrupção, ao abarcar também as esferas civil e administrativa. Trata-se de evolução relevante nas tarefas de combater, mediante a recuperação de ativos, o eixo central das cadeias delitivas organizadas: seus fluxos financeiros. O texto reforça, portanto, o compromisso conjunto para o combate à corrupção.


[Nota publicada em: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/notas-a-imprensa/21865-nota-conjunta-do-ministerio-das-relacoes-exteriores-e-do-ministerio-da-economia-assinatura-de-pacote-comercial-com-os-eua]

Liga das Nações - História Mundial

 


#cacd #mre #diplomacia #diplomata #ligadasnacoes #historiamundial

Mediante as leituras recomendadas no Programa de Coaching do Diálogo Diplomático, os alunos compreendem a linha do tempo na história. Por exemplo, ainda que a Organização das Nações Unidas complete 75 anos nesta semana, ela teve uma precursora chamada Liga das Nações. Com o objetivo de assegurar a paz e a segurança internacionais, as potências vencedoras da Grande Guerra idealizaram a Liga, em Versalhes, no ano de 1919. Pode-se afirmar, além disso, que sua formulação teve influência dos “Quatorze Pontos”, uma proposta do presidente estadunidense Woodrow Wilson (1913-1921). Vale lembrar, todavia, que os Estados Unidos não participaram da Sociedade das Nações em toda sua existência, o que, por conseguinte, foi uma das fragilidades da Sociedade. Igualmente, havia dificuldade no momento de tomar decisões, haja vista seu poder recomendatório em vez de vinculante. Por fim, é possível ratificar a vulnerabilidade de seus mecanismos de sanção. Afinal, alemães, italianos e japoneses invadiram, respectivamente, os Sudetos, a Etiópia e a Manchúria.  Futuros diplomatas, vocês sabem por que o Brasil se retirou da Liga? Sabem por que países como Alemanha e União Soviética não foram membros fundadores? Sabem quem foram seus membros permanentes? Essas e muitas outras informações vocês obtêm nos cursos do Diálogo Diplomático. Interessaram-se? Entrem em contato conosco.


sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Ilha da Trindade - História do Brasil


#cacd #diplomacia #diplomata #historiadobrasil #ilhadatrindade #curiosidades

Em uma questão discursiva, há casos nos quais a apresentação de certas informações pode destacar o texto do candidato em detrimento de seus concorrentes. Esse tipo de orientação vocês adquirem tanto no Curso de Redação quanto no Coaching Avançado do Diálogo Diplomático. A título de curiosidade, vocês já ouviram falar a respeito da Ilha da Trindade? Sabem de seus acontecimentos para a história do Brasil? Essa ilha está localizada a cerca de 1.167 quilômetros da cidade de Vitória, Espírito Santo. No passado, os ingleses contestaram a soberania brasileira naquela região, uma vez que acreditavam que ela fosse “terra nullius”, expressão decorrente do direito romano que significa uma terra sem proprietário. O governo brasileiro, por consequência, questionou a alegação inglesa, o que comoveu a opinião pública no Brasil. Além disso, os portugueses manifestaram bons ofícios, meios diplomáticos para a solução pacífica de controvérsias no direito internacional, e cederam documentos a fim de provar a posse brasileira. A despeito do embate entre Brasil e Inglaterra, o Estado brasileiro venceu a disputa e efetivou a manutenção de sua soberania no território. A depender do enunciado de uma prova discursiva, queridos seguidores, os dados acima poderiam acrescentar pontos à sua resposta. Gostariam de treinar sua escrita? Nós podemos ensiná-los técnicas com base em cada disciplina. Não hesitem em escrever-nos.


 

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Política Monetária - Economia


#cacd #diplomata #diplomacia #economia #politicamonetaria

No Diálogo Diplomático, o aluno pode tanto aprender/aperfeiçoar seu conhecimento, no Programa de Coaching, como treinar sua escrita, no Coaching Avançado. Podemos aplicar a matéria de economia como exemplo. Caso se depare com os chamados instrumentos de política monetária, o candidato precisa saber os conceitos de redesconto, depósito compulsório e operações de mercado aberto. Ao obter esse conhecimento, evita-se o erro na primeira fase do concurso, na medida em que a banca pode inserir outro nome para esses três conceitos ou afirmar a existência de apenas um ou dois. Conhecê-los, ademais, possibilita que o CACDista tenha bons argumentos em uma prova discursiva. Da mesma maneira, sugerimos que vocês, futuros diplomatas, identifiquem o significado de uma política monetária, seja expansionista, seja contracionista. Afinal, é possível que o corretor pergunte, por meio de uma questão discursiva, em qual ocasião o Brasil deve adotar uma política monetária de expansão e/ou de contração. Por isso, se vocês desejam adquirir uma preparação que lhes capacite em todos os pontos do edital, nós temos cursos para todos os níveis e para todas as fases. Não deixem de entrar em contato conosco.


 

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Recomendação de leitura acerca dos biomas brasileiros

Recomendação de leitura acerca dos biomas brasileiros. Segue link: https://www.estadao.com.br/infograficos/brasil,biomas-brasileiros-o-que-sao-e-suas-caracteristicas,1124211 

Compreensão e Interpretação - Português/Redação


#cacd #diplomacia #diplomata #portugues #linguaportuguesa #redacao #compreensao #interpretacao

À medida que os nossos alunos fazem as leituras recomendadas no Programa de Coaching, a bagagem cultural adquirida facilita tanto sua compreensão quanto sua interpretação textuais. Caríssimos seguidores, vocês sabem a diferença entre compreender e interpretar um texto? Pode-se afirmar que essa habilidade é essencial na preparação, dado que as provas de português e de inglês demandam um raciocínio diferente na primeira fase. Compreensão significa analisar tudo aquilo que está escrito, ao passo que interpretação representa o que se conclui em relação ao que foi lido, o que pode envolver elementos extratextuais. Conforme questões de concursos, alguns itens contêm os seguintes enunciados: “Segundo o texto”, “O texto informa que”, “Depreende-se do texto”, “É possível inferir”, “O texto possibilita o entendimento”. Afirma-se, ademais, que o CACDista que sabe fazer essas distinções evita equívocos nas provas discursivas. Afinal, existem diversos relatos de candidatos que, apesar de dominarem determinado conteúdo, tiveram outro entendimento da questão, o que, consequentemente, lhes ocasionou perda de pontos. Se vocês buscam direção acerca do que ler, tal como um curso que lhes prepare para a segunda e a terceira fases do CACD, nós podemos auxiliar. Aguardamos o seu contato.  


 

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Desenvolvimento Sustentável - Política Internacional

 


#cacd #diplomacia #diplomata #politicainternacional #meioambiente #desenvolvimentosustentavel

No Coaching Avançado do Diálogo Diplomático, além de treinarmos nossos alunos para questões discursivas, mantemo-nos atualizados a respeito dos assuntos constantemente presentes no CACD. A título de exemplo, vejam como conectar antecedentes e atualidades: Embora o termo "ecodesenvolvimento" tenha sido cunhado pelo canadense Maurice Strong, com o intuito de relacionar o meio ambiente e o desenvolvimento, o conceito de desenvolvimento sustentável apareceu pela primeira vez em 1987, no Relatório Brundtland, documento intitulado "Nosso Futuro Comum", chefiado pela primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland. Corrobora-se que a definição de desenvolvimento sustentável se baseia em desenvolver-se sem prejudicar gerações futuras. Seus princípios, por conseguinte, encontram-se nos aspectos ambiental, econômico e social. A fim de demonstrar seu conhecimento aos corretores, o CACDista pode apresentar os “Objetivos de Desenvolvimento do Milênio” (ODM), de 2000, da Cúpula do Milênio. Com o lema “8 jeitos de mudar o mundo”, sua meta constituía-se em 8 objetivos internacionais de desenvolvimento para o ano de 2015. Além disso, os “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” (ODS), que compõem a denominada “Agenda 2030”, foram lançados em 2015. Diferentemente dos ODM e seus 8 objetivos, os ODS contêm 17 objetivos e 169 metas. Futuros diplomatas, vocês já leram os documentos supracitados? Saberiam três exemplos de cada? No Diálogo Diplomático, vocês recebem essas instruções, já que é necessário estar atualizado para as provas de política internacional. Se vocês têm dificuldade em saber o que ler e quais notícias acompanhar, nós podemos ajudar. Escrevam-nos.



segunda-feira, 12 de outubro de 2020

LIMPE - Direito Interno


#cacd #diplomacia #diplomata #direito #administracaopublica #limpe #mre

No Programa de Coaching do Diálogo Diplomático, nós não só orientamos os nossos alunos por meio de leituras específicas, mas também os instruímos com dicas de itens recorrentes no CACD. Por exemplo, vocês sabem o que significa LIMPE, futuros diplomatas? Esse termo trata dos princípios da administração pública, cujas iniciais significam legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Tal conceito está localizado no “caput” do artigo 37 da CF/88. Vamos definir cada princípio? Legalidade: Fazer o que a lei autoriza. Impessoalidade: Aplicação do princípio da igualdade, sem privilegiar nem desprezar seus administrados. Moralidade: Utilização de padrões éticos, como a desaprovação do nepotismo. Publicidade: Divulgação dos atos executados pela administração, ainda que existam exceções baseadas no inciso XXXIII do parágrafo 5º da CF/88. Eficiência: Ocupa-se da busca de resultados com o mínimo de recursos do governo. Com este resumo, queridos seguidores, vocês teriam conhecimento necessário para redigir uma questão discursiva de direito interno na terceira fase. Se desejam uma preparação adequada para o CACD 2020, portanto, nós podemos ajudá-los, visto que oferecemos cursos para todos os níveis e para as diferentes fases do concurso. Não hesitem em entrar em contato conosco. 


 

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

Ratzel x La Blache - Geografia

 


#cacd #diplomacia #diplomata #geografia #ratzel #alemanha #lablache #franca

No Coaching Avançado do Diálogo Diplomático, o aluno pratica questões discursivas com base no modelo de correção requerido pela banca examinadora do CACD. É possível afirmar que a institucionalização da geografia ocorreu na segunda metade do século XIX. Na conjuntura posterior à morte (1859) daqueles que a transformaram em ciência, Alexander von Humboldt e Carl Ritter, alemães e franceses divergiam. Como exemplo, pode-se citar a “Guerra Franco-Prussiana” (1870-1871), evento no qual a França foi derrotada. Como resultado, o Império Alemão, antigo Reino da Prússia, recebeu indenização financeira e obteve o território da Alsácia-Lorena, farto em carvão e minério de ferro. Em uma questão de terceira fase, o candidato pode consolidar sua resposta ao citar o alemão Friedrich Ratzel e o francês Paul Vidal de La Blache. Enquanto aquele defendia que as condições existentes na natureza determinariam a ação humana, este acreditava que a natureza ofertaria possibilidades as quais poderiam ser alteradas pelos seres humanos. O debate, dessa forma, variou entre determinismo/espaço vital e possibilismo/gêneros de vida. CACDistas, vocês já dominam esses conceitos? Se tiverem interesse em treinar para as provas de terceira fase, nós podemos instruir-lhes, independentemente do seu nível de preparação. Gostariam de saber como? Contatem-nos.


quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Vozes Verbais - Português/Redação


#cacd #diplomacia #diplomata #redacao #portugues #linguaportuguesa #vozesverbais #verbos #irbr #mre #bsb

No Curso de Redação do Diálogo Diplomático, o aluno aprende/treina técnicas de escrita e elaboração de texto, além de aprimorar seu conhecimento gramatical. Ao estudar vozes verbais, aprende-se acerca de como os verbos apresentam-se na oração, com o objetivo de estabelecer se o sujeito pratica ou recebe a ação. Caríssimos seguidores, vocês já conseguem definir o conceito de “agente” e de “paciente” em um período? Sabem identificar uma voz ativa, uma voz passiva e uma voz reflexiva? Como exemplo, podemos demonstrar as seguintes orações: “Um de nossos alunos visitou o MRE e ficou motivado.”, “O Instagram do Diálogo Diplomático foi acessado por muitas pessoas.”, “Os novos secretários abraçaram-se, após o primeiro dia de aula no Instituto Rio Branco.”. Perceberam as alterações, futuros diplomatas? Recordamos que muitos candidatos se equivocam ao conjugar verbos, sobretudo no momento de inseri-los na voz passiva. Se você deseja aprender a escrever segundo as exigências da banca examinadora, nós podemos ajudar com aulas, simulados completos, correções e dicas de prova. Não deixe de entrar em contato conosco.


 

terça-feira, 6 de outubro de 2020

Revolução Inglesa - História Mundial


#cacd #diplomacia #diplomata #historiamundial #revolucaoinglesa #mre

No Programa de Coaching do Diálogo Diplomático, nossos alunos aprendem/aprimoram o conteúdo do edital por intermédio de leituras direcionadas. Na Revolução Inglesa (1640-1688), houve quatro fases: Revolução Puritana, República de Oliver Cromwell, Dinastia Stuart e Revolução Gloriosa. Um de seus antecedentes trata da morte da rainha Elizabeth I, chamada de “rainha virgem”, por não haver deixado herdeiros. Como consequência, conflitos surgiram nas áreas política, social e religiosa. Sugere-se, desse modo, que os CACDistas conheçam os episódios que envolveram os Stuarts, o Parlamento, a nobreza, a burguesia, o anglicanismo, o protestantismo, os cabeças redondas, os cavaleiros do rei, os escavadores, os niveladores, além de personalidades como Jaime, Carlos, Oliver, Richard, Orange etc. Sabiam, futuros diplomatas, que a “Bill of Rights”, Declaração de Direitos, foi gerada nesse contexto? Ademais, é possível afirmar que a Revolução Inglesa teve participação direta no que ocasionou a Revolução Industrial. Se você, querido seguidor, tem dificuldade no momento de elaborar o seu material de estudos e não percebe evolução na absorção de conteúdo, nós podemos ajudar na sua preparação. Fique à vontade para escrever-nos.  


 

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Bernardo Pereira de Vasconcelos - Curiosidades CACD

 


#cacd #diplomacia #diplomata #historiadobrasil #primeiroreinado #periodoregencial #segundoreinado #irbr #mre #itamaraty #bsb

Nos cursos ofertados pelo Diálogo Diplomático, os alunos são orientados por meio de leituras e técnicas de escrita, ademais de receberem dicas acerca de como itens e questões podem ser cobrados no CACD. Vocês, caros seguidores, já ouviram falar a respeito de Bernardo Pereira de Vasconcelos? Uma vez que esse personagem não só teve importante participação em acontecimentos da história do Brasil, mas também mudou sua opinião política, o que costuma confundir os candidatos, é necessário saber o que ocorreu. Logo, compreendam que, a princípio, Vasconcelos foi um liberal. Nos anos 1820, por exemplo, ele defendia a limitação dos poderes do imperador Dom Pedro I e aprovou, em 1828, a “Tarifa Bernardo Pereira de Vasconcelos”, cujo conteúdo estendeu a taxa alfandegária para outros países, sem necessidade de acordo bilateral. Como resultado, benefícios que os britânicos haviam conseguido com os tratados de 1810 foram ampliados a outras nações. Afirma-se, no entanto, que Vasconcelos mudou seu ideal político nos anos 1830. Consequentemente, ele passou a defender a centralização. Já sabem o motivo dessa mudança, queridos CACDistas? Sabem o que foi o “Ato Adicional”, de 1834, do qual Vasconcelos foi redator? Conseguem distinguir/assimilar nomes como “progressistas”, “regressistas”, “liberais”, “conservadores”, “chimangos”, “caramurus”? No Diálogo Diplomático, vocês tanto aprimoram o conhecimento nas distintas matérias quanto treinam o que aprenderam ao resolverem questões. Para mais informações, não deixem de comunicar-nos.  


sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Ciclo de conferências sobre a nova política externa brasileira - Ministro Sarquis Buainain Sarquis


#cacd #diplomata #diplomacia #politicaexternabrasileira #peb #conferencia #funag #comerciomundial #mre #itamaraty

Segundo a página da Fundação Alexandre de Gusmão, no YouTube: “O Ministério das Relações Exteriores e a Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), convidam para a conferência do secretário de Comércio Exterior e Assuntos Econômicos do Itamaraty, ministro Sarquis José Buainain Sarquis, sobre o tema ‘O comércio mundial e as organizações econômicas internacionais’. O evento acontecerá no dia 2 de outubro (sexta-feira), às 17 horas (horário de Brasília), e será transmitido ao vivo pelo canal da FUNAG no YouTube e pela WebTV da FIEMG. Perguntas do público ao conferencista poderão ser encaminhadas ao e-mail debates@funag.gov.br.”. Aconselhamos que vocês assistam à conferência, a fim de que se mantenham atualizados acerca do atual funcionamento da política externa brasileira. Ademais, caso necessitem de orientação no estudo de atualidades, futuros diplomatas, sintam-se à vontade para entrarem em contato conosco. Afinal, o Diálogo Diplomático oferece diferentes cursos, para os diferentes níveis de preparação. Segue link: https://www.youtube.com/watch?v=-wuBzxDMRro&ab_channel=Funda%C3%A7%C3%A3oAlexandredeGusm%C3%A3o


 

Moeda - Economia

 


#cacd #diplomacia #diplomata #economia #macroeconomia #moeda #irbr #mre #brasilia #bsb #itamaraty

No Programa de Coaching do Diálogo Diplomático, os alunos aprimoram seu nível de conhecimento mediante leituras direcionadas para as distintas disciplinas do edital. No estudo de macroeconomia, aprende-se a respeito da moeda, objeto utilizado pelas pessoas com a função de facilitar trocas. Afirma-se, além disso, que a expectativa de que outras pessoas igualmente irão aceitá-la como forma de pagamento possibilita sua continuidade no mercado. Para que vocês, caros seguidores, não se confundam na primeira fase, tampouco deixem de ter argumentos nas questões discursivas da terceira fase, é necessário saber que a moeda tem três funções. No meio de troca, ela é utilizada como pagamento. Na unidade de conta, ela retrata os preços entre os bens existentes. Na reserva de valor, ela transfere o poder de compra no decorrer do tempo. Vocês, futuros diplomatas, sabem diferenciar termos como inflação, deflação e estagflação? Entendem o que é apreciação e depreciação? Conhecem o significado das moedas de tipo 1, 2 e 3? Conseguem definir conceitos como papel moeda em poder do público, depósitos à vista, depósitos de curto e longo prazos? Vários outros tópicos se conectam ao estudo referente à moeda. Se vocês desejam uma orientação dirigida, com base em leituras integralmente presentes na preparação para o CACD, nós podemos auxiliar. Escrevam-nos.


quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Terrorismo - Direito Internacional


#cacd #diplomacia #diplomata #dip #direitointernacional #terrorismo #irbr #mre #itamaraty #brasilia #bsb

No Coaching Avançado do Diálogo Diplomático, os nossos alunos treinam a escrita de acordo com a demanda de cada disciplina. Em que pese seu início em bases domésticas, na conjuntura da revolução francesa, o terrorismo passou a ser combatido em estruturas internacionais no decurso dos anos, especialmente a partir da segunda metade do século XX. Como exemplo, podemos começar no ano de 1994, quando um comitê “ad hoc”, estabelecido pela AGNU, lançou a “Resolução 49/60”, cujo resultado foi a “Declaração sobre as Medidas para Eliminar o Terrorismo Internacional”. Em 1996, outro comitê “ad hoc” foi gerado, por meio da “Resolução 51/210”, a fim de acentuar as medidas formuladas para o combate ao terrorismo. Embora a criação de resoluções tenha ampliado os esforços na luta contra o terror, pode-se afirmar que a queda das Torres Gêmeas, no dia 11 de setembro de 2001, intensificou a atuação dos países. Nas Nações Unidas, foi concebida a “Resolução 1368”, a qual autorizaria todos os meios necessários contra os responsáveis pelos atentados, bem como a “Resolução 1373”, com o intuito de impedir o financiamento do terrorismo, criminalizar a coleta de fundos para este fim e congelar imediatamente os bens financeiros dos terroristas. Além disso, a aplicação do uso da força, com base no capítulo VII da Carta da ONU, foi admitida. Futuros diplomatas, vocês sabem o que mudou ao longo destes anos? Conhecem a posição da diplomacia brasileira para os temas ligados ao terrorismo? Sabem se já existe uma definição de terrorismo no direito internacional? No Coaching Avançado do Diálogo Diplomático, vocês não só aprendem tal tópico, como também o treinam em forma de questões discursivas. Interessaram-se? Estamos à disposição para atendê-los.