Seguidores

domingo, 12 de agosto de 2007

FICHAMENTOS

Eu tenho o péssimo hábito de exercer o papel reservado aos chatos neste mundo: contrariar o senso comum. Não escrevo sobre a preparação para o CACD para dizer aquilo que todos querem ouvir, muitos menos para discordar pelo simples prazer de discordar, mas escrevo para alertar aqueles que se interessarem pelo que tenho a dizer quanto aos perigos de repetir equívocos cruciais no processo de preparação apenas por seguirem sem autocrítica métodos que podem não ser os mais adequados às suas necessidades específicas. A "polêmica" de hoje será sobre os fichamentos.

Não me atreverei a dizer que estudar por fichamentos não dá certo. Algumas dezenas de aprovados estudaram por fichamentos, eu mesmo os usei de forma colateral. O necessário, nesses casos, é saber avaliar as vantagens e desvantagens de fichar um livro ou um texto, de utilizar um fichamento de outra pessoa ou de simplesmente abdicar de fichar e utilizar o tempo exclusivamente para leitura de textos que podem, de acordo com a preferência do candidato, ser rabiscados e marcados à vontade.

DESVANTAGENS:

1-fichar um texto ou um livro aumenta excessivamente o tempo dedicado a uma única leitura. Em muitos casos, o tempo usado para fichar um texto corresponde a tempo suficiente para ler dois livros diferentes sobre o mesmo tema;
2-o fichamento sempre tem lacunas, pois o candidato destaca aquilo que lhe parece mais importante. É necessário ter cuidado, pois a revisão por fichamento, sem reler a obra, pode reproduzir eternamente a mesma lacuna;
3-utilizar um fichamento de outra pessoa sem que o candidato tenha lido a obra pode induzi-lo ao erro, ou mesmo tornar o fichamento inútil;
4-fichamentos condicionam a produtividade da leitura e prejudicam o candidato quando for necessário realizar leituras de maior densidade, principalmente na terceira fase(quando fichamentos devem ficar restritos à revisão na última semana).

VANTAGENS:

1-muito candidatos precisam escrever para absorver o que estão lendo. Em casos assim, fichamentos podem ser altamente produtivos;
2-bons fichamentos podem funcionar como quadros sinópticos de conteúdos já conhecidos e contribuem para a consolidação de conhecimento adquirido com leituras anteriores;
3-a troca de fichamentos entre diferentes candidatos ajuda a reduzir as lacunas deixadas em cada um deles. É muito importante que o candidato saiba que seu próprio fichamento não é a quinta essência da preparação.

Grosso modo, podemos dividir os fichamentos em 3 categorias: a) tipo resumos, que procuram fazer uma sinopse do conteúdo da obra com o objetivo de substituir a leitura do original; b) tipo tópicos, que procuram colocar em destaque fatos, conceitos e informações constantes da obra, geralmente bastante funcionais para quem já leu o original e c) tipo citações, que reproduzem uma série de trechos da obra sobre todos os conceitos, capítulos e fatos relevantes e fundamentais para uma possível prova. Eu em atrevo a afirmar que os fichamentos do tipo B são muito eficientes porque pressupõem a leitura do original, podem ser excelentes revisões. Ainda que eu defenda que nada substitui a leitura do original, a substituição da leitura é feita de forma mais eficiente pelos fichamentos do tipo C (eu mesmo me beneficiei de fichamentos deste tipo).

Por fim, ressalto mais uma vez que o candidato deve perceber qual a melhor forma de estudar de acordo com as próprias necessidades. Insistir em fichamentos quando não está sendo produtivo pode ser fatal. Superestimar a substituição da leitura por um fichamento mal feito é fracasso certo. Não se pode esquecer, entretanto, que superestimar a própria capacidade de absorver informações apenas pela leitura também pode levar a resultados "funestos".

Não sou entusiasta de fichamentos, mas reconheço que são necessários para uma preparação que envolve tantos conteúdos. É por isso que deixaria disponíveis na pasta de arquivos do grupo de e-mails do blog (dialogodiplomatico@yahoogrupos.com.br) uma série de fichamentos sobre os mais variados temas da preparação. Não esqueçam, nunca, de serem críticos com todo o material: eis uma passo importante rumo à aprovação.

4 comentários:

Nilcimardison disse...

Maurício,
Fui ler seu texto pensando que iria encontrar uma crítica unilateral aos fichamentos e eis que encontro um texto equilibrado, intocável e exato em seus julgamentos. Parabéns!
Fiz um fichamento, que imaginava suficientemente abrangente, de "História da Política Exterior do Brasil". Agora estou relendo a obra e descobrindo uma variedade de minúcias, uma miríade de detalhes, que simplesmente eu tinha passado sem ver. O fichamento tem que ser complementado por releitura - é isso, aliás, que dá uma visão precisa da obra que se lê.
Considero importantíssimo, também, sublinhar, escrever e comentar os livros. Livros rabiscados é sinal de leitura atenta, e é isso que se deve fazer com as obras principais para o concurso, não é mesmo?
Abraço.

Cristina disse...

Maur�cio,

N�o consigo me associar ao grupo. Como � o procedimento?

Abs,

Cristina Borges

barbaramuller@gmail.com disse...

Eu, particularmente, me endividei para me preparar. Seria impossível para mim ser aprovado sem fazer aulas particulares de inglês, meu grande pesadelo e maior obstáculo nesse concurso.

Maurício, essa é minha maior preocupação também. Como eram suas aulas? Seu professor conhecia a prova do concurso? Quantas aulas você fazia por semana?

V.Young disse...

Maurício,
Gostei muito de seus comentários e creio que me ajudarão no meu modo de estudar.
Gostaria, no entanto, de fazer uma pergunta. Quando utilizava a internet para a troca de fichamentos, ou qualquer outro tipo de texto, você já tinha um grupo de conhecidos (colegas de cursinho...) ou simplesmente se associou on-line a um que tratava do CACD?
Desde já agradeço.
Victor Young