Seguidores

sábado, 26 de janeiro de 2008

COMENTÁRIOS SOBRE AS MUDANÇAS NA BIBLIOGRAFIA DO CACD

A bibliografia do CACD renovou-se. A despeito de polêmicas infundadas a respeito da ideologização da bibliografia, as mudanças indicam um novo perfil para algumas disciplinas e, em casos específicos, apenas mudanças que contribuem para agregar novos elementos à orientação e à preparação de um bom futuro diplomata. Vamos aos comentários, disciplina por disciplina:

PORTUGUÊS

A saída de Papéis Avulsos não é nenhuma indicação relativa à diminuição de importância da obra de Machado de Assis para a prova. Machado tem sido presença constante nas provas e acredito que assim permanecerá. Papéis Avulsos constou da redação e de uma questão de interpretação em 2007. Para 2008, é melhor estar preparado quanto a Brás Cubas. O romance tem muito elementos interessantes para a prova e, além disso, é uma excelente leitura.

A saída de Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos, de Antonio Candido, também não é nenhuma indicação em relação à diminuição da importância da obra para o CACD.
Tanto em 2006 quanto em 2007, Antonio Candido foi cobrado nas questões de interpretação. Também é importante lembrar que a obra permanece na bibliografia de História e que "manifestações culturais" são parte do programa dessa disciplina (em 2006 a prova de História da terceira fase teve uma questão sobre a Semana de Arte Moderna). Eu ficaria muito atento ao tema...

A saída de Raízes do Brasil me pareceu a mais interessante. Evidentemente, não acho que a obra seja ruim, mas acredito que Sérgio Buarque seja um dos autores mais presentes nos últimos anos. O conceito de "homem cordial" já está devidamente "orelhado", "mutilado" e mal usado depois de tantos resumos, fichamentos e palestras que se fizeram sobre o assunto para o concurso. A substituição por Visão do Paraíso dá a oportunidade de os candidatos conhecerem (já que a maioria não vai ler) outros aspectos e outros conceitos da obra de Sérgio Buarque. De todas as mudanças- em todas as disciplinas -, esta me parece ser a mais significativa: não foi feita "só pra constar". Se eu tivesse que escolher apenas um livro pra ler para a prova, seria Visão do Paraíso. Fiquem atentos...

As entradas de São Bernardo, em substituição a Memórias do Cárcere, e de Claro Enigma, de Carlos Drumond de Andrade, indicam uma tendência aos temas literários, ou ao tratamento de temas baseados em abordagens literárias. São excelentes obras que, acima de tudo, transformam o estudo em prazer.

Não esqueçam, todos os livros serão resenhados aqui no blog.

HISTÓRIA DO BRASIL

As mudanças na bibliografia de História do Brasil me parecem resultado de um processo de atualização dos estudos na área. Algumas obras menos atuais foram retiradas, algumas outras em função da falta de relevância no tema ou, até mesmo, por redundância. Incomodou-me, particularmente, a retirada da obra de Manoel Bonfim, uma das mais importantes originais obras que o pensam o Brasil. A retirada de tal obra, no entanto, não a invalida como importante contribuição ao pensamento crítico sobre o país. Outras duas saídas a lamentar são A Formação das Almas, de José Murilo de Carvalho- uma das obras mais interessantes que estudei -e A Idade de Ouro do Brasil, de Charles Boxer, uma obra de referência sobre a Colônia, a única que li entre dezenas de obras históricas que se aprofunda em eventos como a "Guerra dos Mascates" e a Guerra dos Emboabas.

A entrada de História Geral do Brasil, organizado por Maria Yeda Linhares, apenas legitima a imprescindibilidade dessa obra para o estudo do Império, principalmente. A entrada de Cronologia das Relações Internacionais do Brasil, do nosso professor no IRBr Eugênio Vargas Garcia, contribui para uma atualização dos pontos de vista acerca do tema.

HISTÓRIA MUNDIAL

Esta disciplina teve um número significativo de mudanças na bibliografia. A maioria delas parece ser atualização dos temas e inclusão publicações de ponta com novas abordagens sobre temas contemporâneos. Algumas mudanças foram apenas substituições de edições antigas por novas edições do mesmo autor. A base, entretanto, permanece: Sombra Saraiva e Eric Hobsbawn, os mais importantes para a prova objetiva. A entrada de Burns se fazia necessária há muito tempo.

POLÍTICA INTERNACIONAL

Esta disciplina também teve muitas mudanças na bibliografia. Claramente, na minha opinião, foi feita uma separação mais clara entre os temas de História do Brasil e de Política Internacional ao se retirar algumas obras que faziam parte da bibliografia das duas disciplinas. Muitas obras foram retiradas em virtude de sua desatualização ou superficialidade e substituídas por obras mais atuais e mais completas. Há também uma indicação de que Teoria das Relações Internacionais deve aumentar sua importância.

Entre as obras que entraram na bibliografia, destaque para The Globalization of World Politics, de Baylis & Smith, e de A Política Externa do Regime Militar Brasileiro, que já faziam parte da lista de livros que indiquei aqui no blog nos últimos meses. Ambos os livros são excelentes e abordam completamente os tópicos do programa com os quais se relacionam.


DIREITO

Apenas a entrada de uma obra do nosso professor Cançado Trindade, o que não é nenhuma surpresa e não indica mudanças de rumo.

ECONOMIA

As mudanças na prova de economia corroboram a tendência à matematização da prova. Acredito que esta será a prova mais difícil em todas as etapas e deve ser estudada com muita atenção. Mais do que conhecer os conceitos, é necessário que os candidatos tenham capacidade de analisar, calcular e representar matematicamente os conceitos econômicos. Eu recomendo uma boa revisão do programa e, se possível, aulas com um bom professor particular. Eu, por exemplo, não precisei estudar o que são isoquantas( e até hoje não sei o que são), mas está no programa de 2008... é melhor não vacilar!

Espero ter contribuído para a preparação de vocês, bons estudos e prossigamos os debates.

5 comentários:

Anônimo disse...

Excelentes comentários, rapaz lógico-racional! :)
Todavia, como você tratou apenas de mudanças bibliográficas, deixou de lado a matéria que terá mudanças cruciais: inglês.
Parabéns pelo blog, que acompanho desde o início, quando era quase "artesanal". Hoje o Diálogo Diplómático está famoso, bombando na imprensa e sendo conhecido por todos os candidatos!

Marcos Palermo disse...

Caros Amigos
No guia de estudos de 2008, na página 28 encontrei:
CARVALHO, José Murilo de. A Construção da Ordem/Teatro de Sombras. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
Não entendi,saiu do programa apenas Teatro de Sombras e permanece o outro livro?
Abraço!

Marcos Palermo disse...

Confundi "Teatro de Sombras" com "Formação das Almas", a pergunta anterior não faz sentido.

Fernanda disse...

Oi pessoal do Diálogo!
Conheci vocês através da reportagem da Zero Hora e desde então passei a acompanhar o blog de perto.
Imprimi os posts para ler a trajetória de vocês desde o início, gostaria de parabenizá-los pelo ótimo trabalho.
Moro em Passo Fundo, interior do Rio Grande do Sul, e agora passei pro terceiro ano da faculdade de Direito.
Confesso que as informações acerca da carreira diplomática vem me conquistando a cada dia que passa.
Ouvi comentários que o Instituto Rio Branco oferece estágios para estudantes universitários.
Gostaria de confirmar esta informação com vocês.
As vezes existem essas oportunidades e infelizmente por estarmos longe ou até mesmo por falta de interesse para correr de atrás, elas não chegam até nós.
Caso não souberem, se possível, informem um email através do qual posso tirar as dúvidas sobre este assunto, mandei pro Rio Branco mesmo, mas acabou voltando.
Vocês podem me contatar através de 72837@upf.br
Obrigada pela atenção, sucesso sempre pra vocês, Fernanda.

Manuela Ribeiro disse...

Pra mim todas essas informações são de extrema importância, levando em consideração q moro num interiorzinho bem pertinho da Paraíba e q mal tem bibliotecas pra estudar.....esse é um blog de grande vaia...tenho me esforçado muito e espero conseguir exito o tão lutado cargo q desejo.

obrigado mais uma vez...